Estamos vivendo um momento de instabilidade espiritual, moral e política. A Igreja nos dias atuais vive momentos similares aos que a Bíblia registra quando menciona períodos escuros e de crises vivenciados pelo povo de Deus e seus servos no passado.

A dura e atual realidade que a Igreja vive hoje, aponta para uma Crise Espiritual que resulta da negligência em nossa relação com Deus e sua Palavra e na desobediência à sua vontade (1Sm 15.22-28). A crise espiritual geralmente é precedida por uma acomodação na leitura devocional da Bíblia, na oração, na adoração, no relacionamento íntimo e na intimidade com Deus.

Precisamos ser servos de Deus que valorizam menos o fazer e mais o relacionar-se, menos o ter (poder e posses) e mais o ser, menos as coisas e mais as pessoas, menos o cargo e muito mais as responsabilidades. Servos que não sucumbam às pressões do povo deixando de fazer a vontade de Deus.

Estamos vendo em muitos lugares uma Crise Moral e Ética. Ela é resultante da crise espiritual, os valores pessoais são invertidos, o certo é tido como errado e o errado como certo. Valores culturais, sociais e morais, como a família, o casamento, as amizades, a honestidade, a fidelidade e outros, são, dia após dia, relativizados e banalizados. A Igreja e a Liderança, desta forma, vai perdendo a sua autoridade espiritual e moral, qualidade essencial no líder cristão vocacionado por Deus (1Tm 3.1-6).

Temos também uma Crise Emocional. A alta carga de trabalho está acabando (em alguns casos já acabou) com a saúde emocional de nossos líderes e membros. O estresse, com todos os seus efeitos colaterais (fadiga, mau humor, irritação, insônia, dor de cabeça etc.), as perturbações mentais, a ansiedade, os temores, a angústia, a depressão, a síndrome do pânico, a bipolaridade temperamental e outros males, acabam por fragilizar a pessoa tornando-a incapaz de lidar com os outros e consigo mesmo (1Tm 4.16), levando, inclusive, líderes cristãos ao suicídio.

Há ainda uma Crise relacional. Os problemas emocionais acabam afetando as relações interpessoais, onde muitas vezes uma pessoa transfere para aqueles que o cercam (família, amigos, liderados) as suas mazelas. Tal situação tende a ficar insustentável. A falta de saúde e equilíbrio emocional descredencia uma pessoa vocacionada por Deus. Saber relacionar-se é imprescindível (1Tm 5.1-3).

São nesses momentos e condições, tão negativos e preocupantes, que Deus interfere soberanamente na história, destituindo e estabelecendo lideranças, promovendo líderes que tenham o seu coração e a sua mente iluminados por sua Palavra e ratificando que Ele ainda tem o controle e a direção da Sua Igreja.

Quando aprendemos as lições que os momentos de crise nos apresentam, muitas coisas podem acontecer, dentre elas, a transformação da crise em um momento de grande aprendizado, mudança e renovação. Mas quando nos omitimos, a crise pode tornar-se destrutiva, a ponto de acabar com uma organização, uma empresa e destruir até uma igreja.

Deus conta com pessoas que tenham atitude, coragem, visão, integridade e, acima de tudo, vida no altar, com oração, jejum e comunhão com o Espírito Santo.

Pastor. Ivonildo Andrade

presidente da Igreja Assembleia de Deus na Cidade de Santa Rosa RS